martes, 5 de febrero de 2013

KAMPUCHEA: Un artigo do blog Grande Dazibao.

Segue a luta na Kampuchea




Remanescentes do ERK em Pailin, 1988.

Há algum tempo atrás recebemos a notícia de que os remanescentes do Partido da Kampuchea Democrática (Partido Comunista da Kampuchea) continuam a luta contra o imperialismo, e a monarquia. Supostamente estariam dando continuidade ao governo revolucionário estabelecido em Pailin após a invasão social-fascista do Vietnã em 1979.

De acordo com a notícia recebida por camaradas da Turquia e Tailândia, a monarquia fascista estaria censurando qualquer notícia da continuidade do processo revolucionário no Camboja.

Justamente por falta de informações não podemos afirmar com total certeza, porém, deve-se levar em contar o fato de que existe uma forte campanha de demonização dos comunistas cambojanos, tanto dentro do Camboja como a nível internacional. O Camboja não é o único exemplo, países como Peru, Geórgia, Rússia, China, e Polônia também mobilizam campanhas de difamação aos históricos dirigentes da luta dos trabalhadores.

A monarquia cambojana tem gastado muito dinheiro com a divulgação de mentiras aos jovens cambojanos. O imperialismo por sua vez trata de fazer divulgação a nível internacional, através de pseudo-historiadores, pseudo-intelectuais, que algumas vezes conseguem semear dúvidas e discórdia no seio de organizações combativas.

O pouco das notícias que escapa da censura imposta pela monarquia fascista é de que os remanescentes do Exército Revolucionário e do governo da Kampuchea Democrática ainda são muito respeitados e admirados pelas pessoas do interior, principalmente os que viveram durante o regime revolucionário dos camaradas Nuon Chea, Khieu Samphan e Pol Pot.

Em 1970 quando a luta revolucionária se estendia no Laos, Vietnã, e Camboja, o presidente Mao declarou: “É o imperialismo norte-americano que teme os povos dos diversos países do mundo. Apavora-se com o mais leve sopro da brisa sobre a relva”. Assim continua o imperialismo norte-americano. Por isso, organizou em 2009 um tribunal fantoche junto com a ONU para perseguir dirigentes revolucionários como Nuon Chea e Khieu Samphan.

O camarada Nuon Chea como grande professor revolucionário não deu um passo atrás em suas convicções revolucionárias, não teve medo dos seus algozes, defendeu o legado revolucionário da Kampuchea Democrática, desmascarou as mentiras que foram lançadas contra os revolucionários que verteram sangue suor e lágrimas pela libertação da Kampuchea.

Assim como muitos camaradas acabam enganados pelas mentiras lançadas pelos agentes do pentágono, ou dos serviços secretos nacionais, nós também fomos enganados ao acreditar que a luta na Kampuchea teria terminado em 1999. Portanto, vemos como um momento oportuno em declarar o nosso erro, e poder dizer com orgulho que mais um povo no mundo se levanta contra o imperialismo e seus lacaios!

Honra e glória aos prisioneiros políticos no Camboja!

Viva a revolução proletária mundial!

Abaixo à desinformação lançada pelo imperialismo e seus lacaios!

Viva o legado revolucionário do camarada Pol Pot!

4 comentarios:

pedro palo dijo...

Hay que poner en dinamica permanente la publicacion sobre el proceso de la revolucion comunista en kampuchea, pues la montaña de publicaciones contra esa realidad, sirviendo de base a los archireacionarios para deformar y desacreditar el comunismo. Pueden ustedes compañeros publicar en español todo sobre la guerra popular comunista en Kampuchea ? con fraterno respeto.

pedro palo dijo...

... montaña de publicaciones reaccionarias, anticomunistas contra esa realidad,. . .

Grande Dazibao dijo...

Camarada, nós, do blog Grande Dazibao e da Organização dos Guardas Vermelhos do Brasil, estamos muito agradecidos pela divulgação do nosso artigo sobre a luta na Kampuchea.

VIVA O INTERNACIONALISMO PROLETÁRIO!

dazibao rojo dijo...

Muchas gracias camaradas por los comentarios.
Dazibao Rojo siempre ha mantenido una posición de defensa de la revolución en Kampuchea Democrática y consideramos que el camarada Pol Pot fue un gran dirigente proletario que no se rindio, perseverando en el camino de la revolución hasta su muerte.
Hemos publicado diversos articulos e informes pero lo cierto es que hay poca información sobre los verdaderos logros de la revolución y si muchas patrañas revisionistas.
Saludos vermellos al camarada Pablo e á Organizaçâo dos Guardas Vermelhos do Brasil